Fábula

Então o elefante, recém saído do picadeiro, foi abordado por um membro do partido comunista:

 

-Elefante, você não acha que sofre demais? Você não acha que devia se rebelar e tomar o controle monetário do circo? Ai haveria igualdade entre todos os animais!

 

O elefante passou imune e continuou rumando para sua jaula.

 

Foi abordado por um membro do Peta:

 

-É um absurdo, um ser vivo sofrer esse tipo de humilhação! Você devia ser solto e voltar para a natureza! Ser feliz com seus filhotes e se deliciar ao sol, nadar em lagos limpos e ser livre de responsabilidades…

 

O elefante simplesmente ignorou e continuou rumando à sua jaula.

 

Lá chegando, deita-se e fica em estado sonolento por algumas horas. Até que o Artista adentra o cárcere fétido:

 

“Meu caro paquiderme, que desanimo é esse!? A noite foi um sucesso! Aparecemos em todos os jornais e revistas. Pagarão-nos o dobro para uma apresentação Extra amanhã a noite!”

 

“Amigo, não me leve a mal. – Replicou o elefante. Respeito você por ser um dos poucos que me respeita. Mas tudo isso não me agrada e não faz sentido. Sou açoitado e maltratado, mas nem por isso quero controlar nada e fugir dessa vida. Acostumei-me a ela e meus olhos já não conseguem mais refletir outra coisa a não ser sofrimento por ter a capacidade de me lembrar de cada milésimo de segundo que foi gasto em prol de algo que vocês nomeiam como entretenimento. Não sou esse tipo de bicho involuído que é maltratado e sente prazer. Esse bicho que faz de tudo para aparecer e ser reconhecido. Não vejo sentido nisso. Para mim a vida é feita somente para ser vivida, sem motivos ou justificativas, somente…”

 

Mas o artista não escutava mais o desabafo final do elefante, que morreu minutos antes da última apresentação. Enquanto desabafava seu bilhete de despedida para o único que via como um igual, o mesmo estava dançando à frente do pedaço quebrado de um espelho velho e descascado. Seus pés roçavam no capim velho do chão da cela. Seus tornolezos estavam presos a uma bola de ferro em que se lia ‘ambição’ de um lado e ‘fama’ do outro.

 

 

~ por airomunhoz em novembro 6, 2008.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: